28 de maio de 2020

Horta escolar




Mesmo tratando-se de uma resistência quase simbólica, considerando os acontecimentos que resultaram e estão a resultar da crise Covid-19, que obrigaram preventivamente ao recurso de uma prolongada quarentena, através do  confinamento social que encerrou as escolas durante a “cerca sanitária no concelho de Ovar, e acabou por ser determinado no país, que os alunos do ensino básico não voltariam à escola presencial até ao final do ano letivo 2019/20. O projeto de uma “Horta Escolar” da Direção de Turma do 5º D, com coordenação da docente Celisa Salvador, no âmbito dos Domínios de Articulação Curricular (DAC), e o apoio do docente António Costa na preparação prática do espaço para implementar esta atividade pedagógica, continua vivo.
Uma resistência que persiste com o ano letivo a terminar, na expectativa de que esta solução que afastou os alunos das escolas, não se venha a normalizar de forma perversa, mesmo reconhecendo o empenho e espírito de missão dos profissionais de educação, atenuando as limitações naturais da escola e das aulas à distância, como atividade mínima de ensino no atual cenário de confinamento para alunos e professores, que, ao contrário do slogan em tempo de Covid, “não pode ficar ninguém para trás”, ainda não está garantido que tal objetivo esteja a ser um sucesso, bem como as aprendizagens através deste modelo de distanciamento entre docentes e discentes, por mais telefonemas, mails ou vídeos que partilhem.
Sem que os alunos do 5º D da Escola EB (2º ciclo) António Dias Simões possam observar presencialmente esta resistência do seu projeto ecológico, para terem o privilégio de mexer na terra e acariciarem as várias espécies hortícolas, que se vão desenvolvendo em diferentes ritmos, como defendem pedagogos relativamente à educação. Ainda que esta primeira experiência de dinamizar uma pequena horta em meio escolar, possa não fornecer produtos suficientes para a alimentação de uma comunidade. Os ainda poucos exemplares que vão ganhando forma de couve-flor, couve penca, espinafres, alface; alho francês, salsa, tomates ou curgetes. São aliás as curgetes, da família das cucurbitáceas, curiosamente a espécie que melhor se está a adaptar a toda esta instabilidade, que representa a ausência no espaço escolar de uma geração que está a perder este contato com a natureza e a assim poder aprender como a terra é generosa na alimentação da humanidade que tão mal trata o Planeta.
Na ausência dos cuidados que estavam planeados para as atividades do projeto da “Horta escolar” com os alunos, com todos os alunos da turma 5º B (Aiman Khan, António Pedro, Beatriz Amador, Beatriz Borges, Beatriz Cunha, Cristiana Filipa, Dinis Acabou, Diogo Miguel, Flora Maria, Gabriela Sofia, Gonçalo Carvalho, Guilherme Nascimento, Inês Filipa, Irís Valente, Joana Vânia, Leonardo Pinto, Luana Oliveira, Lucas Leite, Margarida Peralta, Rodrigo Borges e Manuel Paredes). E na ausência temporária por problemas de saúde, do gato que nesta comunidade escolar, é o “Neves” para uns e o “Simões” para outros. O gato que mais habilidades já demonstrou para dar vida a uma horta pedagógica. Perante esta sua dificuldade, tem restado apenas a intervenção do animal errante que se nega a deixar morrer um projeto que não sobrevive com um qualquer programa informático à distância. Porque para além de todas as capacidades tecnológicas também na relação com a terra agrícola, a “Horta escolar”, como as comunidades escolares e educativas, precisam de sensibilidade humana presencial para cumprirem a sua verdadeira missão em liberdade e sem medos.


José Lopes 
Assistente Operacional

Sem comentários:

Publicar um comentário

Hastear da Bandeira Verde e Dia da Terra

 Dia da Terra assinalado na Escola Básica António Dias Simões O Dia da Terra, que se comemora no dia 22 de abril, foi assinalado na Escola B...